Feeds:
Artigos
Comentários

Olá leitores da RAE Turismo & Companhia!

Estivemos um tempo sem escrever, por estarmos desenvolvendo algumas pesquisas, mas para a nossa satisfação voltamos! Para marcar o dia do Blog, iremos reinaugurar o nosso blog além das categorias que você já conhece, teremos uma nova sessão, que irá tirar as suas dúvidas e também te informar sobre como é o dia a dia de um aeroporto, contando curiosidades e algumas pérolas que acontecem por lá, você vai ao mesmo tempo se informar, e se divertir.

A Nova categoria, Prontos Para Decolar, começa com muitas informações baseadas nos sites da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Infraero e ANAC. Estes sites nos ajudarão com os esclarecimentos e informações necessárias para sua segurança e tranqüilidade na hora de decolar. Iremos mostrar também o que acontece dentro das aeronaves, com dicas de como escolher os melhores lugares dentro do avião, o que fazer para não enjoar, como se distrair durante os vôos, o que pode e o que não pode fazer dentro da aeronave. Deixa com a gente! Você não irá mais passar vergonha, antes de decolar ou depois de pousar.

Vamos Decolar?

 Imagem: Escola de Aviação Campinas


logo_aptece

As principais motivações para apreciar a gastronomia, são os prazeres que vem através da alimentação durante a viagem, saindo da rotina de cada dia e conhecendo um novo sabor. Em qualquer destino, o turista precisa se alimentar e acaba experimentando a cozinha da localidade. Por sempre andarem juntos desde o início da alimentação, os apreciadores da boa comida viajam para comer e conhecer algo diferente. O turismo gastronômico está ligado à sensação e ao prazer de conhecer e saborear algo novo quando se viaja. O turismo Gastronômico vem ampliando posto de trabalho, além de atrair pessoas de diversas localidades para participar dos eventos gastronômicos, acaba tendo mais um atrativo turístico para a cidade.

Um projeto interessante que esta acontecendo em Portugal é a Comida com histórias. A Associação de Turismo de Culinária portuguesa investe meio milhão de euros para impulsionar a economia local e a cultura gastronômica. A Associação Portuguesa de Turismo de Culinária e Economia (APTECE) pretende atrair turistas através das tradições culinárias diferentes e assim promover os produtos regionais. Almeja promover a culinária regional como patrimônio cultural, local e nacional e como elemento estratégico para desenvolvimento da economia.

Créditos: DR

Créditos: DR

A associação portuguesa acredita que a riqueza gastronômica e cultural deve fazer uma ligação clara entre as viagens e a comida, por isto a APTECE lançou o projeto “Portugal Exclusivo – Comida com histórias” integrando um conjunto de atividades que levará os quitutes nacionais aos quatro cantos do mundo. Entre as atividades previstas para o projeto destacam-se estudos sobre a valorização da gastronomia portuguesa, ações de proteção dos alimentos em vias de extinção, aulas de culinária em torno da gastronomia regional portuguesa, aplicações para smartphones com roteiros, atividades e ofertas de produtos artesanais locais, publicação de um livro sobre a comida portuguesa com histórias, sessões de formação para profissionais do turismo, um road show em 19 cidades europeias para promoção das regiões portuguesas, gastronomia local e seus produtos.

Em resgate a tradições perdidas trabalhando com nove produtos em vias de extinção, das cidades de Trás-os-Montes ao Algarve. A associação aposta na cooperação e complementaridade entre os vários agentes do turismo e a indústria, criando uma plataforma de desenvolvimento que pretende promover várias regiões de Portugal como destino turístico, e tudo aquilo que faz parte dele: a história, cultura, tradição, pessoas, produtos, empresas. O projeto Portugal Exclusivo reforça a gastronomia tradicional, típica das diferentes regiões e micro, pequenas e médias empresas com produtos exclusivos da cultura. Visando alcançar Espanha, França, Alemanha, Reino Unido, Itália, Holanda e os Países Escandinavos.

Créditos: Daniel Rocha

Créditos: Daniel Rocha

As primeiras atividades em Portugal serão com os restaurante que utilizarão em seu menu receitas típicas e produtos locais, com o objetivo de alcançar as embaixadas portuguesas em todo o mundo. As atividades implicarão em um investimento superior a 500 mil euros, 80% provenientes do Sistema de Apoio a Ações Coletivas do COMPETE, protegendo e em alguns casos recuperando o património gastronómico português. O projeto irá impulsionar a economia nacional através do engajamento de setores estratégicos como a gastronomia, o turismo e a agricultura.

APTECE ligará, de forma dinâmica e inovadora, comida e viagens, através de histórias, muitas das quais nem os próprios portugueses conhecem, permitindo a criação de produtos únicos, que contem as histórias, que revelem segredos e deem a conhecer a herança culinária e gastronomia, ajudando os agentes locais. Valorizando e promovendo ingredientes, alimentos e tradições gastronômicas de cada uma das regiões portuguesas, contribuindo para uma prática de cross-selling regional.

Créditos: Comida di Buteco 2013 São Paulo

Créditos: Comida di Buteco 2013 São Paulo

Em relação ao Brasil é importante observar a grande variedade climática que influencia a gastronomia do nosso país. Além da imensa extensão territorial, as regiões pela sua miscigenação com brancos, negros e índios e povos vindos de diversas partes do mundo, fazem do nosso país um diferencial em termos de gastronomia. Temos os pratos básicos de todas as regiões, arroz com feijão e a feijoada, como os principais representantes do nosso povo, depois vem inúmeras variações deste prato e outros que foram inseridos em nossa comida de alguma forma.

Temos muito a pesquisar sobre a nossa gastronomia, a exemplo de Portugal, resgatar a cultura culinária de cada região, estado, município, até os pequenos distritos deste gigante. O Projeto Comidas com histórias é um grande exemplo a ser analisado e interpretado, principalmente nos pequenos municípios e distritos dos nossos estados. Vamos pensar sobre isto também no nosso Festival de Comida Di Buteco, que já busca resgatar a tradição culinária dos botecos do Brasil. Porque não pensar em criar histórias com estas tradições gastronômicas para manter viva a memória de nosso povo. Gostou da matéria, deixe seu comentário, de como podemos fazer aqui no Brasil?

Fontes: http://www.unisantos.br/pos/revistapatrimonio/pdf/Artigo4_v7_n11_jul_ago_set2010_Patrimonio_UniSantos_(PLT_33).pdf

http://www.dinheirovivo.pt/Faz/Artigo/CIECO283757.html


Créditos: Caderno de materias

Créditos: Caderno de materias

O nome vem da palavra Tags que significa palavras-chave ou termos associados a uma informação, as Hashtags são as palavras precedidas pelo símbolo (# – jogo da velha). Começaram a ser usada a primeira vez em 2007, nas redes IRC como uma forma de categorizar os tópicos de conversa para depois ser desenvolvida e se tornou popular na rede social Twitter. Por volta de 2012, as pessoas começaram a utilizar a hashtags também no discurso falado e para categorizar fotos e comentários. Atualmente é usada em quase todas as redes sociais.

Com o uso cada vez mais frequente das redes sociais, as pessoas buscam na internet e nas redes, interesses comuns por isto a necessidade de uma busca rápida sobre o assunto para ganhar mais tempo. As Hashtags definem um tópico/discussão que serve para alcançar pessoas e empresas com as mesmas afinidades e interesses. São indexadas de forma destacada e utilizadas com a mesma função, no Twitter, Facebook, Instagram, Tumblr e Pinterest. Elas viram hiperlinks dentro das redes e deste modo, os posts se tornam capazes de serem pesquisados e encontradas pelos mecanismos de busca e do Google para quem se interessa pela discussão.

Créditos: Digital Trends

Créditos: Digital Trends

 

Deve-se evitar o uso excessivo de hashtags porque este uso exagerado dificulta o interesse dos seguidores no transito para o conteúdo, até desmotivar as pessoas a segui-lo. A grande popularidade desta ferramenta se deve ao Twitter, cujo objetivo era criar os assuntos do momento, os Trending Topics. Certifique-se que a hashtag criada é adequada, aceitável e atraente e que irá atingir o seu público.

As hashtags de marcas devem ser usadas com bom senso e critério para que não sejam vistas como spam. As marcas precisam ser simples e deixar claro o ponto que querem destacar. Se todos os tweets forem uma hashtag, sua utilidade se enfraquece e perde o objetivo. Acrescente o conteúdo junto a hashtag em um link do post, isto facilitará a compreensão do leitor. Não envie tweets com hashtags repetidas, ou apenas com hashtags sem link do post. È aconselhável acompanhar e monitorar a hashtag criada, para saber os comentários, participar da conversa e evitar prejuízos futuros. Use a ferramenta com moderação e criatividade e em caso de dúvidas entre em contato com a RAE Turismo & Companhia deixando um comentário neste post.

Saiba mais em: http://www.hashtags.org/

 


Créditos: : mpgo.mp.br

Créditos: : mpgo.mp.br

Táxi! Quem nunca precisou usar um táxi, em sua cidade ou na cidade que você visitou? E pensando nisto a RAE Turismo & Companhia, fez uma pesquisa para mostrar um pouco deste transporte tão importante para os turistas, selecionando algumas cidades do Brasil e do mundo com seus diferentes taxis.

O Taxi de carro é o veículo que mais leva passageiros em todo o mundo, em relação as Van e moto taxi. Não apenas no Brasil os Taxis são diferentes, mas também em outras partes do mundo. Além da cor, o nome varia pouco em. A palavra TAXI é praticamente universal, assim como a palavra “Zero”, com algumas exceções.

Nos países mais frios, os táxis são escuros e nos países tropicais, são de cores mais claras. No Brasil e nos países mais quentes da América Latina, predominam as cores vivas e intensas. No cone Sul da América Latina, os táxis são de cores mais escuras (mesmo que haja alguns amarelos). Nas cidades de Santiago do Chile, Buenos Aires e Montevidéu, são muito parecidos.

No Brasil, a maioria dos táxis é de cor branca. No Rio de Janeiro é amarelo com uma faixa azul nas laterais. Nas capitais dos estados do Sul do Brasil, os carros são coloridos.

Começando com o Brasil por Belo Horizonte e Região Metropolitana

taxi BH

Táxi comum de BH

taxi de confins

Táxi do Aeroporto de Confins

Táxi Especial

Táxi Especial

Em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, os táxis, são brancos e pretos, sendo que os brancos são os comuns e os pretos são especiais, eles podem circular por toda a região metropolitana, identificados pela logo da capital na parte lateral do carro. No aeroporto Internacional as cooperativas têm carros azul marinhos. E somente os táxis azuis podem carregar passageiros que chegam ao aeroporto internacional, localizado na região metropolitana de Belo Horizonte, no município de Confins.

Indo de Táxi pelas cidades em outros estados

Táxi de Curitiba

Táxi de Curitiba

Táxi de Florianópolis

Táxi de Florianópolis

Táxi do Rio

Táxi do Rio

Táxi de Porto Alegre

Táxi de Porto Alegre

Táxi de Recife

Táxi de Recife

Táxi do Rio de Janeiro

Táxi do Rio de Janeiro

Táxi de Vitória

Táxi de Vitória

No Brasil a maioria dos táxis das capitais são brancos, no Rio de Janeiro são Amarelos com uma faixa azul nas laterais. Nos estados do Sul do Brasil são coloridos nas capitais, em Porto Alegre-RS são vermellhos; em Florianópolis Brancos, mas o Capô e o porta malas são vermelhos. Em Curitiba-PR os táxis são de cor Cenoura. Em Porto Alegre – RS, são vermelhos. Em Curitiba – PR, os táxis são de cor laranja cenoura.

Fazendo um Tour pelo mundo

Táxis Tradicional de Londres

Táxis Tradicional de Londres

Táxi do México

Táxi do México

Táxi de Pequim

Táxi de Pequim

Táxi da Argentina

Táxi da Argentina

Táxi da Itália

Táxi da Itália

Táxi de Nova York

Táxi de Nova York

Táxi de Pequim

Táxi de Pequim

Em Nova York a cidade adotou o amarelo como padrão. O modelo de veículo que representa os táxis nova iorquinos é o Checker, atualmente todos foram substituídos por modelos mais novos.

Em Londres os modelos mais usados como táxi são o Austin FX4 ou LTI, pintados de preto. A parte do passageiro normalmente é separada da parte do motorista. Os táxis na cidade de Londres são mais conhecidos como “cabs”. São pintados de preto ou levemente azulados (ou esverdeados, como ocorrem no sul de Londres).

Na Cidade do México o modelo mais usado é o Fusca, o clássico da Volkswagen. Eles normalmente são pintados com verde e branco. Existe um serviço de taxi exclusivo para mulheres, com veículos cor de rosa. A cor talvez seja em homenagem a bandeira do país e a seleção de futebol.

Em Istanbul, na Turquia, Taxi se escreve TAKSI, sua cor é amarela.

A cidade de Bogotá, na Colômbia, o táxi é amarelo como os de Nova York, mas de modelos variados como no Brasil.

Em Bangkok, capital da Tailândia é uma mistura de cores e de modelos. Se não fosse a sinalização superior do carro, não seria possível saber se o carro é um táxi ou não.

Gostou da informação?

Fontes:

http://www.bandeira2.com.br/rj/index.php?option=com_content&view=article&id=63:taxi-pelo-mundo&catid=45:curiosidades&Itemid=60

http://blog.resolveai.com.br/2013/02/07/os-taxis-e-o-mundo/#.UoI_K_kU9x4

http://www.dihitt.com/n/curiosidades/2012/12/25/os-taxis-no-brasil-e-no-mundo-1


slowfood-logo21

Existe uma forma interessante de fazer as refeições, que é mais do que simplesmente uma maneira nova de degustar os alimentos. Estou falando do Slow Food. Trata-se de um segmento alimentar que também é uma associação cuja filosofia gastronômica defende que Comer é fundamental para viver, e para isto a forma como nos alimentamos, tem profunda influência no que nos rodeia, a paisagem, a biodiversidade da terra e suas tradições. No Slow Food os gastrônomos não ignoram as relações entre o prato e o planeta. Uma alimentação centralizada é importante para que as pessoas melhorem a sua qualidade de alimentação e tenham tempo para saborea- lá fazendo com que o cotidiano se torne mais prazeroso de uma forma simples.

O Slow Food foi fundado por Carlo Petrini em 1986, e se tornou uma associação internacional sem fins lucrativos em 1989. Atualmente possui mais de 100.000 membros e tem escritórios na Itália, Alemanha, Suíça, Estados Unidos, França, Japão e Reino Unido, e apoiadores em 150 países. O princípio básico do movimento é o direito ao prazer da alimentação, utilizando produtos artesanais de qualidade especial, produzidos de forma a respeitar tanto o meio ambiente quanto seus produtores.

O movimento é contrario a tendência de padronização do alimento no Mundo, e defende a necessidade de que os consumidores estejam bem informados, e possam se tornar coprodutores. A sede internacional da associação é em Bra, na Itália. Age tanto localmente como mundialmente junto de instituições internacionais como a FAO – Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação. Estabelece laços de amizade com governos em todo o mundo, prestando consultoria para o Ministério da Agricultura italiano, trabalhando com o presidente da câmara de Nova Iorque e colaborando com o governo Brasileiro.

Créditos: Slow Food

Créditos: Slow Food

Tornou-se uma voz ativa na agricultura e na ecologia, através dos seus conhecimentos gastronômicos relacionados com a política, a agricultura e o ambiente, somando o prazer e a alimentação com consciência e responsabilidade. As atividades da associação são voltadas a defender a biodiversidade na cadeia de distribuição alimentar, difundir a educação do gosto, e aproximar os produtores de consumidores de alimentos especiais por meio de eventos e iniciativas.

Acreditam que todos têm o direito fundamental ao prazer de comer bem e consequentemente se veem na responsabilidade de defender a herança culinária, as tradições e culturas que tornam possível esse prazer. Seguem o conceito da ecogastronomia, reconhecendo as fortes conexões entre o prato e o planeta. Acreditam que o alimento deve ser Bom, limpo e justo. Além disto, o alimento deve ter bom sabor; ser cultivado de maneira limpa, sem prejudicar a saúde, o meio ambiente ou os animais; e os produtores devem receber o que é justo pelo seu trabalho.

Os Coprodutores recebem informações sobre como o alimento é produzido, com apoio dos produtores, que se tornam parceiros no processo de produção. As atividades da associação visam defender a biodiversidade, divulgar a educação do gosto e unir aos co-produtores aqueles que têm produtos de excelência.

Créditos: Slow Food

Créditos: Slow Food

Segundo o Slow Food, o prazer de saborear a boa comida e a bebida de qualidade deve ser ajustado com o empenho para salvar os grãos, vegetais, frutas, raças de animais e produtos alimentícios que correm perigo de desaparecer devido ao predomínio das refeições rápidas e do agronegócio industrial. A associação se preocupa com a educação do gosto, através do despertamento e treinamento dos sentidos, esta filosofia ajuda na redescoberta do prazer de saborear um alimento e na compreensão da importância de conhecer sua origem, quem o produz e como é feito.

Realizam atividades de Convívio que apresentam aos associados e outros interessados, em alimentos e produtores da região, enquanto os Laboratórios do Gosto oferecem degustações conduzidas por especialistas no assunto. Oferecem às escolas, o projeto Hortas Escolares proporcionando às crianças uma oportunidade prática de aprender sobre os alimentos e ver como crescem.

O Slow Food criou a Universidade de Ciências Gastronômicas, e oferece cursos acadêmicos multidisciplinares sobre a ciência e cultura do alimento. A UNISG é o caminho pelo qual a associação une as inovações e pesquisas do mundo científico e acadêmico, com o tradicional conhecimento dos agricultores e produtores de alimento.

Saiba mais em: http://www.slowfoodbrasil.com/


A expressão que está escrita na bandeira dos mineiros teve origem na Roma antiga, em uma obra do poeta Virgílio e seria usada pelos Inconfidentes na bandeira da república que idealizaram, para a Capitania de Minas Gerais, no final do século XVIII.

Créditos: Jornal das Lajes

Créditos: Jornal das Lajes

A frase está no Éclogas, também chamadas de Bucólicas, que é o primeiro dos três maiores trabalhos do poeta Virgílio. O trecho abaixo faz  parte do diálogo entre Meliboeus e Tityrus:

“Et quae tanta fuit Romam tibi causa videndi?”

“Libertas, quae sera tamen, respexit inertem,

(Candidior postquam tondenti barba cadebat,

Respexit tamen et longo post tempore venit,

Postquam nos Amaryllis habet, Galatea reliquit.

“E qual foi a grande ocasião de sua Roma está vendo?”

“A liberdade, que, embora tarde, parecia inerte,

(Quando minha barba ficou branca e,

Ele tem respeito teve, no entanto, e depois de muito tempo veio,

Depois do Amaryllis, Galatea me deixou.

A bandeira de Minas foi instituída pelo governador José de Magalhães Pinto, no dia 8 de janeiro de 1963.

Sobre o autor

rosalves_1329246314_600

Rosalves Sudário

Formado em comunicação social e especialista em mídias sociais e gestão de comunicação digital. Começou a trabalhar com web no Projeto TEIA (Tecnologia Empreendedorismo Inovação Aplicados) da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais em parceria com a RS Ativa. Blogueiro, atualmente trabalha com assessoria de comunicação e em projetos para web.


Créditos: Coisaparecida

Créditos: Coisaparecida

O Airbnb, é uma rede social de economia compartilhada através de um serviço online comunitário para as pessoas anunciarem, descobrirem e reservarem acomodações, de um jeito todo particular para se hospedar de forma alternativa, e se sentir bem acomodado. Permite que as pessoas aluguem toda ou parte da própria casa, como uma forma de acomodação extra. O site fornece uma plataforma de busca e reservas entre a pessoa que oferecem as acomodações aos turistas que buscam um aluguel. São mais de 500 mil anúncios de hospedagem em mais de 35.000 cidades e 192 países. Foi criado em novembro de 2008 e até Junho de 2012, já possuía mais de 10 milhões de reservas agendadas pelo Airbnb.

Fundada pelos americanos, Brian Chesky, Joe Gebbia e Nathan Blecharczyk na cidade de São Francisco, na Califórnia. É um mercado comunitário seguro para as pessoas anunciarem, descobrirem e reservarem acomodações singulares ao redor do mundo através de um computador ou de um celular. Pode ser um apartamento por um dia, um castelo por uma semana ou uma vila por um mês, o Airbnb conecta pessoas a experiências de viagem singulares, com todos os preços. Com um atendimento de excelência em uma comunidade crescente de usuários, oferecendo a maneira mais fácil e empreendedora de ganhar dinheiro com espaços em casas. De um apartamento particular a uma ilha privada, proporcionando uma oportunidade excêntrica de acomodar pessoas pelo mundo, de forma acessível a todos.

Pelo Celular é possível

Créditos: Airbnb marketing

Créditos: Airbnb marketing

Realizar buscas por mais de 33.000 cidades em 192 países em todo o mundo; Encontrar lugares de última hora, próximos e disponíveis para dormir; Reservar propriedades usando o cartão de crédito a partir do celular; Acessar os detalhes dos itinerários e dos anfitriões, com instruções para o destino; Comunicar-se com potenciais anfitriões e hóspedes a partir da caixa de entrada da rede social Airbnb; Navegar por Coleções selecionadas apresentando propriedades da comunidade; Tirar fotos dos espaços com a câmera do telefone e fazer upload instantâneo para a comunidade; Saber de preços personalizados pelo aplicativo; Acesso ao calendário de onde estiver para acompanhar com facilidade as datas para check in e check out; Confirmar pedidos de reserva mesmo estando na rua.

O Airbnb permite alugar seu espaço ocioso sem muito esforço, através de um cadastro gratuito, e o fato de ser uma grande comunidade garante que o anúncio será visto por milhares de pessoas de todas as partes do mundo. As reservas são cobertas por uma garantia, 100% gratuita para Todos os Anfitriões. A Garantia do Anfitrião é realizada sem custo algum, e possui um seguro de R$ 1.800.000, uma proteção diferenciada na indústria do turismo. Parceria com o Lloyd´s of London, seguradora internacional, para o caso de algo sair errado.

Hospedagem com amigos ou ex-colegas

As Conexões Sociais ajudam a encontrar acomodações de amigos em comum, pois são lincados as redes sociais: Linkedin, Facebook, Twitter, Google+, de pessoas com crenças semelhantes ou anfitriões recomendados por amigos. Conexões com anfitriões em todo o mundo. Busca personalizada. As Conexões Sociais destacam as melhores acomodações do turista em seus círculos sociais, aprovadas por pessoas conhecidas. Em Belo Horizonte já são 368 anúncios com localização em bairros centrais e tradicionais da cidade.

As informações pessoais e privadas são protegidas em todos os momentos. As Conexões Sociais são exibidas apenas para as pessoas cadastradas nas redes sociais do sistema, que podem ser ativadas ou desativadas a qualquer momento na página Privacidade do sistema. As Conexões Sociais permitem a quem faz parte da comunidade ver como estão conectados uns aos outros. Os viajantes podem filtrar os resultados de busca para ver lugares sobre os quais seus amigos deixaram comentários, assim como quem está conectado com anfitriões através de amizades mútuas e contatos da escola ou da universidade. A RAE Turismo & Companhia, gostaria de saber sua opinião ao conhecer estas acomodações, e em qual cidade do Brasil você se hospedou através da AIRBNB? Conte para gente!

 Saiba mais : https://www.airbnb.com.br/

%d bloggers like this: